Dia a Dia

Posted: segunda-feira, 17 de maio de 2010

 

Entre a aurora e o ocaso

Construo e destruo meus dias

Dia a dia

 

Nasço na alvorada

Me descabelo no zênite

Morro à boca da noite

 

No escuro

À ausência do dia

Me reviro em espera

De reviver ensolarado

 

Em dias de chuva

Mergulho em mim

Catatônico

Enublado de nuvens

3 comentários:

  1. Mai 17 de maio de 2010 12:54

    E assim passam os dias e a vida que espira no tempo. Em rotação, um sol que se derrama devagar. Maravilha este poema.

    abraços e boa semana

  2. LiLa BoNi 17 de maio de 2010 22:57

    Encantada !!!!

  3. Cíntia Thomé, Jornalista, Poeta . 10 de junho de 2010 19:24

    Apenas nos...
    Seu poema encantou pela franqueza...verdade da alma!

BlogBlogs.Com.Br