Menestréis de asfalto

Posted: terça-feira, 19 de maio de 2009


Na minha cidade vejo gente
gente de variados mundos
andarilhos, incógnitas, indigentes
sem eira nem beira
que se esgueira,
sem fundos

Na minha cidade pungente
vejo tristeza e testa enrugada
dando duro em apressado batente
maltrapilha, com a pele embrulhada
rancor de quem é desprezada
e a cada dia que passa,
em agonia
vê a vida em vão, esbugalhada

Na minha cidade imponente
vejo meu povo meio-matuto
cabisbaixo, vestido de luto
sob comando do astuto
que dita a dura impertinente
com fina lâmina de corte arguto

Na minha cidade vejo gente
que nada leva em mente
mesmo que se lamente
de um futuro indecente
onde se vê aniquilado
perdido, ferido e vilipendiado

Na minha cidade inclemente
vejo a tentativa insistente
de um povo dócil,
sempre carente
que petrifica igual um fóssil
oh! pobre dessa gente tão crente...

Na minha cidade vejo gente de todo matiz
são atores, mambembes cordéis,
pensadores, prostitutas, bacharéis
trovadores, alquimistas, menestréis
que vivem estendendo seus carretéis
a se equilibrarem, no meio-fio,por um triz...


©joe_brazuca-MMIX-sp/br

6 comentários:

  1. Olhos de Folha Minha 19 de maio de 2009 22:05

    Queria dizer Adeua
    A quem amo
    Com suas discrepâncias
    agonia nas guias
    o marginal
    nas marginais
    http://br.olhares.com/adeus_adeus_foto2214205.html

    Fantástico, até choro, pois vivi aí feliz, nao indiferente, mas vivi uma das melhores dias de felicidade neste mundo de pernas de pau e sale...e sempre me doia o coração qdo voava junto a um Cometa (Cometa, rs)


    Lindo lindo
    vou publicar no eu blog, uma excessão mas vou...quem sabe declamo e gravo!!!!!

    Boa rima Joe...Sao Paulo é rima...

  2. Compulsão Diária 19 de maio de 2009 22:34

    Hey, Joe!

    Daqui eu a vejo assim matizada, sempre por um triz. Eu a vejo o tempo todo nas esquinas; Sampa, São Paulo, Paulicéia minha, nossa do Brasil e do mundo. que recebe a todos e é tão maltratada. De braços abertos acolhe e dá oportunidades. e nesse melting-pot geléia geral sampa arranca amor e ódio feito mãe. Sentimentos ambíguos seus mas não mais meus. Longe dela sei o quanto ela é grandiosa e, ao mesmo tempo, discreta. A cidade que parece massacrar mas alimenta. São Paulo é sonho e pesadelo. Mas...É!
    A cidade que me perdeu
    Na rapidez de uma mágica
    E que é tão minha e próxima
    Que a larguei longe,
    Mas levo comigo sempre
    Assim mesmo, eu sem resgate.

    Eu lhe pedi e vc me deu!
    A Avenida, aquela minha mais do que nunca a minha Paulista, ganhou o beijo e vc minha gratidão admirada.
    Esse poema é lâmina e rasga e põe à mostra a docilidade do paulistano. Discreto, sem o charme nem a ginga nem a calma dos outors lugares mas é tão sincera!
    São Paulo é aberta! Poesia!

  3. Joe_Brazuca 20 de maio de 2009 11:18

    obrigado, queridas poetisas...
    é tudo mesmo uma questão de "Deus o o diabo na terra do sol", como bem disse e criou sobre, o baiano arretado Glauber Nosso Rocha, uma rocha inquebrantável, tal como Sampa, que recebe, embute, tritura, acalenta, rosna e cospe fora...
    Sampa que pode ser a Rio, BH, Salvador, Recife, Paris, Tóquio, NY, LA, Vegas, POA, Curitiba e...

    um beijo
    </B

  4. Marcos Pontes 20 de maio de 2009 12:01

    São muitos brasis e muitos mundos na tua cidade que é um país dentro de outro país. Teu pequeno país, no final das contas, é mais saudável que o grande país que, por sua vez, está emlouquecendo e empobrecendo todo o país.

  5. Joe_Brazuca 20 de maio de 2009 14:43

    Pois é, meu caro Pontes...Tem razão...
    Dizem ser a loco_motiva...Contudo, no andar da carruagem, os vagões estão querendo descarilhar...Daí, não haverá máquina que siga sozinha...

    grato e abraço
    ( sumiu daqui , meu ????...faz isso não...fica calmo...rs)

  6. Compulsão Diária 20 de maio de 2009 15:14

    Sampa é Sampa!
    Naõ sai do trilho não.

BlogBlogs.Com.Br